Cotidiano


Agora doí a cabeça. Muito! Desde de sexta, sem parar. Mas a dor foi chegando devagar, começou na segunda e  foi aumentando… mas já estava doendo, o coração já dava sinais de desapontamento, de angustia.
Mas o coração também doí ainda mais agora… chora. Certamente é um reflexo de tudo que estou vivendo e de todas as coisas que gostaria de mudar… que preciso tentar mudar. Mas que tenho medo. Talvez porque essas mudanças não dependem de mim, porque mudar a atitude das pessoas é difícil… falar abertamente do que incomoda, do que doí não é necessariamente uma coisa que gostamos de fazer. Mas não dá pra fugir. Mas tenho medo de ferir ainda mais corações que já estão despedaçados, destroçados, machucados… Mas para curar, a ferida precisa sangrar e só depois cicatrizar. Espero que ainda seja possível…

I carry you in my soul…

As pessoas me assustam. Parece que cada um entende o que é mais conveniente para si próprio. 😦

Longe de casa…

É quase uma da manhã, estou na sacada. Só o vento balançando meus cabelos, o barulho do mar a me fazer compainha…

Aonde foi que eu me perdi… Adiar a minha vida seria uma definição para o que eu vivi até aqui. Será? Tenho medo de chegar a essa conclusão e  mais medo ainda de conviver com as consequências desse adiamento…

O trabalho está me sugando. Não estou encontrando tempo para fazer coisas básicas e essenciais… como estar com a minha família e os meus amigos. Percebi hoje que mal escuto música,  a não ser o tempo que leva do caminho de casa para o trabalho e do trabalho para casa. Não está dando tempo!

Essa frase da Clarice  faz todo sentido pra mim agora. E sabe, nem sei…

Demorou mas percebi.
Não vale a pena insistir.
Eu cansei de esperar. Isso devia ser um sinal, porque demorei tanto para chegar a essa conclusão? Parece que só entendemos quando é a hora certa.
E chegou a hora. Percebi. E agora só me resta, começar de novo…

Por que fico te esperando, se você nem sequer se lembra de mim. Não liga, não escreve… porque passo meus dias pensando, lembrando de você. Não há esperanças, não se iluda coração. Já aconteceu uma vez e você sofreu, pare de pensar. Não creia que será diferente, não acredite em ilusões. Vai acontecer de novo, como da outra vez…
Pare agora. Não se permita sofrer de novo. Não cometa os mesmos erros. Pare!
Porque insisto em cultivar esse sentimento? Porque insisto nessa espera? Porque Deus eu gosto dele assim, se nem ao menos ele demonstra ou corresponde a isso tudo. Porque eu não sou capaz de dizer isso a ele. Porque me calo toda vez que estamos juntos pelo simples prazer da sua companhia. Porque sufoco isso tudo. Porque ajo como se fosse normal, como se não tivesse importância, como se não tivesse esperado e contado os dias, meses só para vê-lo.
Porque me comporto assim, como se fosse algo trivial… porque me dedico mais ao trabalho? Porque me envolvo cada vez mais nos problemas familiares? Porque tento fugir do que eu sinto? Se ao final, se a cada anoitecer, me deparo com esse sentimento. Porque, porque tenho escolhido viver assim?
Porque tenho me contentado com visitas rápidas e apressadas… porque eu o quero mesmo assim. Porque sou tão boba a ponto de esperar… a ponto de continuar esperando. De continuar gostando…
Se nem sequer ele sabe que o espero.

Próxima Página »