Carlos Drummond de Andrade


Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão

Mas as coisas findas
muito mais que lindas,
essas ficarão.

* Carlos Drumnond de Andrade *

imagem-blog1

“E que mais, vida eterna, me planejas?
O que se desatou num só momento
não cabe no infinito, e é fuga e vento”

* Carlos Drummond de Andrade – trecho do poema Instante *

“Por outro lado, a solidão em si é muito relativa. Uma pessoa que tem hábitos intelectuais ou artísticos, uma pessoa que gosta de música, uma pessoa que gosta de ler nunca está sozinha. Ela terá sempre uma companhia: a companhia imensa de todos os artistas, todos os escritores que ela ama, ao longo dos séculos”

* Carlos Drummond de Andrade *

Quando encontrar alguém e esse alguém fizer seu coração parar de funcionar por alguns segundos, preste atenção, pode ser a pessoa mais importante de sua vida.
Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante,
Se os olhos se encherem d’àgua, nesse momento, perceba, algo do céu te mandou um presente divino: o amor.
Se um dia tiveres que pedir perdão um ao outro por algum motivo e, em troca, receber um abraço, um sorriso, um afago nos cabelos e os gestos valerem mais que mil palavras, entregue-se: vocês foram feitos um pro outro!
Muitas pessoas apaixonam-se muitas vezes na vida.
Mas poucas amam ou encontram um amor verdadeiro.
Ás vezes encontram e, por não prestarem atenção nesses sinais, deixam o amor passar sem deixá-lo acontecer verdadeiramente!
É o livre arbítrio.
Por isso, preste atenção nos sinais, não deixe que as loucuras do dia a dia o deixem cego para a melhor coisa da vida: o amor!”

* Carlos Drummond Andrade *

“Eterno é tudo aquilo que vive uma fração de segundo mas com tamanha intensidade que se petrifica e nenhuma força o resgata.”
* Carlos Drummond de Andrade *

Ser feliz sem motivo é a forma mais autêntica de felicidade”
* Carlos Drummond de Andrade *

Se procurar bem você acaba encontrando. Não a explicação (duvidosa) da vida, mas a poesia (inexplicál) da vida.
* Carlos Drummond de Andrade *

Próxima Página »