Kepler nunca tinha visto uma biblioteca como a do barão. Diariamente, perdia-se em meio a livros de filosofia, teologia, poesia, música… Cada volume era uma preciosidade ricamente encapada em couro preto ou marrom, com título e o nome do autor gravados em letras douradas. Quando não estava explorando Praga, Kepler ficava horas entre as obras de Cícero, Lucrécio e Santo Agostinho, assimilando o máximo que podia. Prateleiras de mogno que iam do chão ao teto, interligadas por passarelas e escadas em espiral, adornavam três das quatro paredes do salão. Janelas enormes enchiam a biblioteca de luz. O teto era decorado com afrescos inspirados na Guerra de Tróia. Kepler podia passar o resto da vida ali, lendo e calculando

* Marcelo Gleiser In: A harmonia do mundo *

Anúncios