Tô tão só, Zezim. Tão eu-eu-comigo, porque o meu eu com a família é meio de raspão. Tá bom assim, não tenho mais medo nenhum de nenhuma emoção ou fantasia minha…”

* Caio Fernando Abreu In: Carta o Zézim *

Anúncios