“…se homem algum, um homem qualquer não pode desfiar da gramática
a descrição holística de um ventre dançante, talvez tenha chegado a hora, o momento exato em que eu, dançarina do ventre, perceba que não mais leio poemas, por já ser a expressão exata da própria poesia”

* Hana Akif *

Anúncios